Número 116

Ano 2009

 

COBERTURA JORNALÍSTICA

Evento "As Tendências da Relação Empresa-Fornecedor"

Primeiro evento de 2009 da Universo Qualidade expôs à platéia de 450 empresários a importância de manter relações de parceria com seus fornecedores para superar a crise e ampliar ganhos.

Os fornecedores são um dos fatores mais importantes dentro das organizações. A satisfação do cliente pode crescer devido ao bom atendimento e preocupação de um terceirizado em sua empresa, ao mesmo tempo em que, essa satisfação, pode ser colocada em cheque por falhas causadas por um serviço mal disponibilizado por um terceiro. Para o cliente, independente de quem o beneficia ou cause um dano, a imagem da empresa é uma só. Ele enxerga a marca mais visível que ofereceu o produto ou o serviço ao consumidor.

A dinâmica atual do mercado exige um reposicionamento  nas relações mantidas entre fornecedores e contratantes. Um dos motivos pelo qual essa nova visão da cadeia produtiva se potencializou nos últimos anos é a cada vez mais exigida colaboratividade entre os parceiros comerciais.

Levando em consideração todos esses aspectos e ainda mais o cenário atual de crise e pós-crise, a Universo Qualidade realizou na última quarta-feira, 18 de março, no Hotel Renaissance, em São Paulo, a palestra “As tendências da relação empresa - fornecedor”, com a presença de 450 profissionais de 230 empresas diferentes.

Para discutir essa nova tendência foram convidados o Diretor-Superintendente do SEBRAE, Ricardo Tortorella; Fernando Arbache, Professor da Fundação Getulio Vargas e IBMEC; e Gustavo Delamanha, Diretor de Marketing do Makro, uma das maiores empresas atacadistas do País.

Reagir com rapidez às expectativas do mercado

O evento foi iniciado com uma interessante apresentação de dança indiana,  a qual prendeu a atenção dos presentes, preparando a todos para uma tarde de aprendizado coletivo. Fernando Arbache foi o primeiro palestrante a demonstrar  como a união é importante em momentos de crise para manter a sobrevivência em um mercado em mudança.

Arbache apontou a necessidade de se observar os ensinamentos do passado: “As crises são freqüentes na História, mas se entendermos o funcionamento delas no, pode-se evitar cometer os mesmos erros no presente e enxergar soluções inovadoras para o futuro”.

A primeira ação efetiva de quase todas as empresas em situações complicadas é cortar custos, muitas vezes, colocando, simplificadamente, o foco no corte das cabeças pensantes da companhia. O palestrante revelou que grande porcentagem das companhias que realizam esta prática acabam obtendo ainda mais resultados negativos, pois perdem sua principal arma: o capital intelectual, parte essencial da organização para a retomada do crescimento dos negócios, depois que a crise passar. E ela vai passar.

No que tange a relação com os fornecedores, o mercado já percebeu sua relevância. Muito embora ainda poucas organizações tenham prestado atenção efetivamente neste quesito, as atitudes dos fornecedores (positivas ou negativas)  são de responsabilidade direta do contratante.  Para Fernando Arbache, “eles fazem parte do DNA, se forem ruins, a minha empresa também será”.

Um dado muito interessante apresentado pelo palestrante é a necessidade, mesmo durante a crise, de se preparar adequadamente para o momento pós-crise, pois nos próximos meses viveremos uma bolha de crescimento ,como se seguiu a todas as crises da humanidade. Neste momento, só vai sobreviver quem se mostrar competitivo e reagir rapidamente às expectativas do mercado.

Ao encerrar sua palestra, Fernando Arbache pediu aos empresários que dêem atenção redobrada e conquistem a amizade de seus fornecedores. Para o consultor, muito em breve, quem tiver a melhor logística, incluir adequadamente seus fornecedores no processo produtivo e, principalmente, estiver à frente da concorrência, pensando na inovação dos serviços, será aquele que vai escapar  das crises e conquistar novos mercados.

Sucesso do projeto emociona Delamanha

Em continuação ao evento, a platéia recebeu com bastante entusiasmo o relato das experiências adquiridas por Gustavo Delamanha, Diretor de Marketing do Makro. Funcionando como empresa âncora e com uma gama diversa de fornecedores, ele expôs a necessidade de manter ótimas relações com todos eles, mas também manter-se cada vez mais próximo dos clientes que os unem. Para o Macro ficou clara a necessidade de conhecer mais de perto os desejos do pequeno comércio, da pequena empresa, clientes centrais do Macro. Um projeto muito especial permitiu maior aproximação com esses clientes, revelando também suas expectativas e principalmente suas necessidades para manter-se vivos.

Delamanha contou à platéia que o contato duradouro com o cliente viabilizou o sucesso do programa Sabor & Saber do Makro. A ação tinha por objetivo capacitar os clientes e levar a eles conhecimentos específicos sobre os produtos oferecidos pelo conjunto de fornecedores do atacadista, para que o comprador pudesse fazer melhores escolhas no momento da compra, a fim de que gerisse de forma mais plena os seus negócios. Essa ação só foi possível devido ao excelente relacionamento que o Makro possui com seus fornecedores. Foram eles quem ofereceram subsídios para que o programa se tornasse um sucesso.

O cliente é figura fundamental na organização do Makro. O palestrante descreveu os esforços mantidos por sua equipe em construir vínculos que sejam vantajosos para todos os envolvidos. Para conhecer a fundo as necessidades de seus consumidores, Delamanha visitou centenas de microempresários em São Paulo, Rio de Janeiro e diversas cidades do Nordeste.

Ao falar do sucesso do programa, Gustavo Delamanha ficou visivelmente emocionado e arrancou aplausos da audiência. “Muitas vezes, os meus clientes são simples, não possuem nenhuma sofisticação, às vezes têm dificuldades de comunicar quais são seus problemas e dúvidas. Ver que nosso trabalho os ajuda a gerir seus negócios e melhorar sua qualidade de vida é um orgulho cada vez maior”.

O palestrante encerrou sua participação com a seguinte frase: “A necessidade nos mostrou que não era apenas importante ser hábil nos processos, mas sim verificar as necessidades dos clientes e aproximar todos no processo produtivo, fornecedores, empresa e consumidores”.

Inovação e Competitividade transformam sonhos, pessoas e negócios

O mercado contemporâneo exigiu uma mudança na mentalidade empresarial. As novas gerações estão em busca de produtos que combinem design, funcionalidades, serviços e claro, inovações. Assim começou a palestra de Ricardo Tortorella, Diretor-Superintendente do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (SEBRAE-SP). O executivo apontou que o aprendizado das empresas e fornecedores em gerir suas redes conjuntamente é um fator importante e de grande diferencial para o sucesso em qualquer processo produtivo, independente do segmento econômico.

Para o especialista, os novos consumidores estão cada vez mais exigentes e pedem por inovações significativas em todos os lançamentos. Tortorella alertou que não haverá mercado diferenciado no futuro se as empresas não tiverem a percepção para enxergar os desejos dos consumidores.

“Após as crises, uma bolha de crescimento é sempre esperada e só vai sobreviver quem for mais flexível e se preparou para a demanda”. Com essa máxima, Ricardo Tortorella mostrou a necessidade das micro e pequenas empresas estarem preparadas para a demanda  que vai surgir. Além disso, deixou claro que os pequenos empresários possuem um potencial nato para ajustar-se à realidade e, portanto, encontrar soluções inovadoras.

Com ampla experiência adquirida em realizar parcerias, o Diretor-Superintendente do SEBRAE afirmou para a platéia que alguns elementos são indispensáveis na busca pelo sucesso dos pequenos negócios. Entre eles, elencou a capacitação (que foi ao encontro do exposto por Delamanha) como essencial. Empresas que dão aos seus funcionários oportunidades de atualização têm grande percentual de crescimento.

Além disso, a inovação em processos e produtos aumenta a competitividade das empresas. Essa necessidade de inovar exige a transformação no comportamento dos atores envolvidos. A integração entre empresa e seus parceiros será cada vez mais necessária para o sucesso tanto da  grande como da pequena empresa.”Quem não tiver a visão de rede para operar negócios, em futuro breve, estará fadado ao insucesso”, disse Tortorella com muita propriedade.

Ao final da tarde, depois de conteúdo tão intenso e significativo,  ficou claro o sentimento de otimismo que envolveu todos os participantes, da platéia aos palestrantes. A certeza de que informações extremamente valiosas foram transmitidas foi marcante.  Dessa forma, encerrou-se mais um evento Universo Qualidade. “Graças à colaboração dos parceiros , patrocinadores e dos convidados de valor,cumprimos nosso papel de levar conhecimento relevante aos nossos clientes Esperamos que as informações possam transforma-se em ação de melhoria para nosso dia a dia de trabalho e contribua para a melhoria da gestão das empresas que representamos”, disse Marlene Ortega ao final do evento.